feed

DEFESACIVIL

Secretaria Adjunta Especial de Defesa Civil

Rua Cônego João Barros Pinho, 107 - Pinheiro
CEP 57055-640 // Fone: (82) 3312-5890 / 199 / 0800 030 6205
Horário de atendimento: segunda a sexta, de 8h às 14h

Defesa Civil vai analisar rachaduras no bairro do Farol

A Defesa Civil de Maceió inicia nesta quinta-feira (10), a partir das 9h, levantamentos no bairro do Farol para analisar se o aparecimento de rachaduras em alguns imóveis tem relação com a instabilidade de solo que afeta os bairros Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto, provocados pela atividade de mineração – segundo relatório do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Os levantamentos iniciais consistem na análise das edificações que apresentam rachaduras e imóveis circunvizinhos, para identificar possíveis feições e suas continuidades.

“A intenção desses levantamentos é investigar se o fenômeno está se estendendo para outras áreas. Investigar se as fissuras e fraturas identificadas estão associadas à instabilidade de solo que afeta os bairros do Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto ou não”, explica o geólogo do Centro Integrado de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil (Cimadec), Antonioni Guerrera.

Equipes do Cimadec farão levantamento no bairro do Farol (Foto: Ascom Defesa Civil)

Durante os trabalhos, as equipes da Defesa Civil de Maceió podem entrar em casas cujo atendimento não foi solicitado ou agendado. “Estaremos nesta quinta-feira na Rua Tenente Antônio de Oliveira, no Farol, com todos os profissionais identificados com o colete da Defesa Civil e em carro plotado. Estamos com agendamento para analisar os imóveis cujos proprietários solicitaram vistoria e pode haver necessidade de analisar casas vizinhas para entender o problema e colher informações necessárias para o trabalho”, destacou o engenheiro civil do Cimadec, Dayvisson Rodrigues.

A investigação para saber se o fenômeno tem relação com o problema identificado no Mapa de Setorização de Danos e de Linhas de Ações Prioritárias levará em consideração os levantamentos de campo e os dados de monitoramento. Os dados serão ainda compartilhados com a CPRM, órgão federal dá suporte nas ações de monitoramento realizadas pela Defesa Civil de Maceio, para que sejam analisados e, por fim, ser emitido parecer.

Flávia Duarte/ Ascom Defesa Civil

bg azul